Os 4 Tipos de Cultura Organizacional


Foto:Pexels

Conheça as formas que uma empresa pode usar para se definir

O filósofo e escritor Charles Handy, especialista em comportamento organizacional, escreveu seu primeiro livro em 1976, intitulado "Como compreender as organizações", e com este trabalho tornou-se pioneiro na discussão sobre culturas organizacionais. Nessa obra, o autor define os 4 tipos principais de cultura organizacional. Vamos entender cada uma delas.

1 - Cultura do Poder

A cultura do poder é mais predominante em empresas e organizações de pequeno porte, cujo raio da cadeia de comando é relativamente curto para poder ser controlado pela figura centralizada de poder da organização, comumente sendo o próprio gestor da empresa ou um gerente imediatamente subordinado a ele. 

Este tipo cultura tem um caráter de rigidez operacional, com um núcleo hierárquico sólido, sendo pouco afeito ou totalmente resistente a mudanças ou inovações orgânicas, mesmo que estas possam ser lógicas. Devido a sua característica autoritária (em sentido administrativo) essa estrutura organizacional depende totalmente da competência e vontade do gestor central da cadeia de comando da organização.

2 - Cultura de Papéis

A cultura de papéis leva esse nome por ser um tipo de organização de forte planejamento operacional, com cada uma das funções detalhadamente definidas, postas "no papel", formalizadas. Não à toa essa tipologia empresarial tem a alcunha pejorativa de cultura "burocrática", pois os papéis, formulários, memorandos, etc, tudo precisa passar pela mesa (bureau, em inglês) dos gestores, criando um forte entrave para a comunicação ágil entre os diferentes níveis hierárquicos.

3 - Cultura das Tarefas

A cultura das tarefas tem como característica a qualidade no desempenho das atividades, visando a excelência na execução das tarefas com fins de melhoria progressiva dos resultados. Por esse traço de foco na qualidade do desempenho, as organizações investem prioritariamente na aquisição de funcionários com alta qualificação profissional, para garantir que os processos sejam mantidos em alto nível ou até melhorados devido a expertise de seus membros.

4 - Cultura de Pessoas

A cultura de pessoas é o tipo organizacional que, hoje, representa a meta para a maioria das empresas, devido à falência manutenção dos resultados de modo constante pelos outros modelos, pois, a longo prazo, eles geram um esgotamento da força produtiva dos funcionários, necessitando renová-los constantemente - o que acaba gerando gastos e encargos de contratações e rescisões que oneram bastante as empresas. 

Esta forma de organização é a tendência geral do mundo do século XXI, pois o signo desse século é a patologia neuronal, manifestada por várias síndromes novas, junto com as que já haviam surgido na segunda metade do século passado. Doenças como o Transtorno de Déficit de Atenção com síndrome de Hiperatividade (TDAH), Transtorno de Personalidade Limítrofe (TPL) e a Síndrome de Burnout (SB) vêm se somar a transtornos depressivos, gastrites nervosas e hipertensões que já eram associadas às culturas empresariais precedentes (1, 2 e 3), criando um estado psico-sociológico insustentável para o adequado e ordenado funcionamento das organizações. 

Por conta deste quadro catastrófico, as empresas perceberam que a falta de atenção dada ao indivíduo como pessoa era um fator determinante de desencadeamento das muitas crises de desempenho e de resultados. Assim, a cultura de pessoas se tornou a forma que norteará as relações institucionais da empresa com o indivíduo, investindo em melhorias de bem-estar, programas de crescimento empresarial para todos e uma maior tolerância com as características pessoais de cada um. Um grande exemplo de sucesso desse modelo é a gigante americana Google.

Etapas e Evolução

Se observarmos bem a sucessão dos modelos descritos acima, podemos notar algo como uma evolução dos tipos organizacionais. É evidente que os tipos anteriores a outros não desaparecem do mundo totalmente. Há uma coexistência de todos os modelos acima citados, mas, dependendo do período histórico que observamos, podemos notar certa predominância de cada um deles. No nosso período atual, mundialmente falando, é o tipo de cultura de pessoas que representa a meta global de modelo organizacional.




Postagem Anterior Próxima Postagem